COLÉGIO ESTADUAL

DOM JOÃO BECKER

 

     INÍCIO    

     HISTÓRIA

     NOME

     DATAS

     GALERIA

 

HISTÓRIA:

Criação: 

O Colégio Estadual “Dom João Becker” foi criado pelo Decreto-Lei 2143, de 1946 sob a denominação de “Departamento Noturno do Colégio Estadual Júlio de Castilhos”, entretanto, em virtude do Decreto-Lei Nº 1382, de 12 de março de 1947, passou a chamar-se “Ginásio Estadual Noturno Dom João Becker”.

Era então Interventor Federal o Dr. Pompílio Cilon Fernandes Rosa e Secretário da Educação, o Dr, Luiz Sarmento Barata. No decreto de 12 de março de 1947, foi dada esta denominação ao Estabelecimento como sincera homenagem prestada pelo Governador do Estado Manuel Antônio Galvão ao saudoso Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre, “Dom João Becker”.

 

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Início das Atividades: 

As atividades escolares tiveram inicio em março de 1947 no prédio do “Grupo Escolar Sousa Lobo”, situado na Avenida Bahia, nº 948.

No 1º Exame de Admissão, realizado em março de 1947, foram aprovados 48 alunos, que se matricularam na 1ª série ginasial, no ano seguinte, foram matriculados 110 alunos.

Paralelamente aos três primeiros anos de funcionamento regular do Ginásio, foi ministrado um Curso do Artigo 91, para o qual foram contratados vários professores, que ministram aulas a candidatos matriculados em turmas das quatro séries equivalentes ao Curso Ginasial. Devido ao crescimento de matriculas no Curso Ginasial e à falta de maior número de salas de aulas, o Curso do Artigo 91 foi cancelado, em fins de 1949.

Foi designado como primeiro Diretor do Estabelecimento, o Professor Luiz Gonzaga Ferreira Brum.

Topo

Primeira Formatura: 

Em dezembro de 1950, ocorreu a solenidade de formatura da primeira turma de concluintes do Curso Ginasial, sendo seu Paraninfo, o Dr. Cilon Rosa, e Homenageado de Honra, o Industrialista A.J. Renner, que sempre prestigiara a iniciativa de um novo Estabelecimento de Ensino para o 4º Distrito, principalmente para funcionar em turno da noite.

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Transferência de Sede:

O Dr. Júlio Marino de Carvalho como titular da Secretaria da Educação, por ato assinado em 11 de julho de 1951, transferiu para o “Grupo Escolar Gonçalves Dias”, na Vila dos Industriários a sede do Estabelecimento, onde funcionou o Turno da Noite até a conclusão das obras da sede própria, essa construção demorou 9 anos passando por 5 governos e está situado na Vila dos Industriários na rua Nova Prata nº 180.

Topo

Cursos Colegiais Científico e Clássico:

Em 25 de novembro de 1959 o Ginásio Estadual Noturno foi transformado em Colégio começando a funcionar os Cursos Clássico e Científico em 2 de maio de 1960, em pavilhões construídos pela Comissão Estadual de Prédios Escolares, sob a direção do professor João Alberto Shaan, anexo ao prédio do Grupo Escolar Gonçalves Dias.

Era, nessa época, Diretor da Comissão Estadual de Prédios Escolares, o Arquiteto João Alberto Shaan, professor da Cadeira de Desenho do Educandário. Com o funcionamento do Curso Colegial, o Estabelecimento passou a denominar-se “Colégio Estadual Dom João Becker”. A construção desses pavilhões e, posteriormente, a de mais um, com a colaboração do Lyons Clube Passo da Areia, tornou viável o funcionamento de mais dois turnos, o da manhã e o da tarde, ampliando a matricula do Colégio para 1.700 (um mil e setecentos) alunos.

 

Sede Própria para o Educandário:

Era esta a preocupação de todos. Direção, Corpo Docente, Discente e Funcional, Pais de alunos, Imprensa e Autoridades Educacionais. O terreno escolhido, localizado na Av. Nova Prata, a princípio cedido, foi finalmente doado ao Estado do Rio Grande do Sul pelo Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários (IAPI).

O Edifício-Sede do Estabelecimento, cuja construção se iniciara no segundo semestre de 1962, foi aí levantado, a despeito de todos os contratempos, com o objetivo fundamental de proporcionar o maior número de estudantes a oportunidade da educação.

A conclusão das obras, entretanto, só se verificou após a assinatura de um convênio do Estado com o Ministério da Educação e Cultura.

Em fins de 1968, processou-se a transferência dos turnos da manhã e da tarde, para o novo prédio do Colégio; todavia, a do turno da noite só se concretizou, em princípios de 1970, com a estabilização da rede elétrica.

Topo